Guia Prático de Como Fazer uma Boa Fanfiction: Perguntas Frequentes

domingo, março 09, 2014
Mais um post da nossa coluna de dicas, dessa vez com perguntas mais ouvidas por quem escreve/lê fanfictions.




O que é fanfiction?
Fanfictions são histórias alternativas baseadas numa série de televisão, filmes, livros etc. que são escritas por fãs, geralmente sem fins lucrativos. Nelas o autor pode colocar os personagens que quiser deste universo ou misturar universos diferentes, além de colocar seus próprios personagens. Pode-se reescrever cenas, mostrar determinados acontecimentos sob um novo ponto de vista, escrever finais diferentes, explorar melhor personagens secundários, escrever sobre o passado ou futuro dos personagens, entre outros.

Existe uma diferença entre fanfiction e fiction?
Por mais que algumas pessoas pensem que querem dizer a mesma coisa, essas duas palavras possuem significados um pouco diferentes. Fanfiction, como vimos, é uma ficção criada por um fã de determinado universo, já fiction (ficção, em inglês) é somente uma história de ficção, podendo também ser aplicada às histórias originais (aquelas em que personagens, ambiente, enredo, etc. são completamente criados por você, sendo apenas inspirados ou não em outros universos). Vale a pena lembrar que as denominações fanfics, fanfictions e fics é que são as corretas. As palavras “finc”, “fik”, “fanfick” e variantes não existem.

Qual a origem das fanfics?
Embora sejam conhecidas na maioria das vezes apenas na internet, as fanfics surgiram há muito tempo, talvez até mesmo em séculos passados através de clubes literários compostos por escritores. Há quem diga que começou com o quarteto composto por Lord Byron, Mary Shelley, Percy Shelley e Claire Cleremont, já que as fanfics também podem ser uma ramificação da arte literária onde seus autores começam a rascunhar suas criatividades para, se assim desejarem, se tornarem autores de originais e fazerem sucesso com suas próprias histórias.
A popularização e nomeação do termo para textos que utilizavam personagens conhecidos em novas aventuras foram popularizadas através da internet e dos fanzines (histórias em quadrinhos amadoras) e se tornaram famosas quando surgiu na internet uma história de que o desenho A Caverna do Dragão teria um verdadeiro "final" nunca antes mostrado. Após isso, surgiram histórias de diversos desenhos japoneses (Sailor Moon, Dragon Ball), HQs (X-Men), séries (Arquivo X) e, principalmente, livros (Harry Potter). Mas a essência se mantém a mesma: uma atividade amadora em que não se ganha nenhum centavo.

Onde se publica fanfics?
Geralmente as fanfictions são publicadas na internet, sendo raro outro local onde elas estejam disponíveis. Existem sites dedicados exclusivamente a determinado fandom e outros dedicados a textos de diversas categorias e gêneros.
Através da internet, o autor tem sua obra lida pelos leitores que se interessarem em sua obra e tem por objetivo receber comentários com críticas e/ou sugestões de seus leitores. Muitos leitores, de tanto lerem outras histórias, acabam criando idéias interessantes e criando as suas próprias.

Para quê Escrever FanFics?
Escrever uma fanfic é uma atividade amadora e os autores não ganham nada com isso, apesar de muitos escreverem fanfics pensando em se tornarem escritores profissionais no futuro. Muitos escrevem para mudar o final de um filme, livro ou série, para unir um casal que não se juntou no fandom original, para colocar determinados personagens em situações diferentes.
Mas escrever é uma boa atividade não apenas para passar o tempo, mas para exercitar a criatividade, a escrita e também a leitura — já que ninguém é um bom escritor se antes não for um bom leitor —, e para adquirir conhecimento de novos universos e lugares, visto que muitas vezes os autores abordam temas, profissões, lugares que não conhecem e precisam pesquisar bastante. Ou seja, você aprende e se diverte ao mesmo tempo.

Como eu posso me tornar um escritor melhor?
Pratique, mesmo que de início não esteja indo muito bem. Você sempre pode voltar e reescrever o que não ficou bom. É de fundamental importância que se leia várias vezes o texto e que se vá editando a cada nova leitura, seja mudando uma palavra que não se encaixa bem, acrescentando um diálogo, uma descrição ou corrigindo erros de digitação e gramática. Outro conselho legal é guardar as cenas que não foram aproveitadas nessa etapa, pois elas podem ser usadas posteriormente, até mesmo noutras histórias. Jamais apague nenhum arquivo, por pior que tenha ficado.
Erros gramaticais são ainda piores do que erros de digitação. Escrever bem não é somente saber colocar bem uma ideia e sim colocá-la de forma que todos entendam. Histórias com muitos erros gramaticais podem fazer com que os leitores desistam de ler a história até o fim, então não tenha medo de consultar o dicionário ou mesmo alguém que possa ajudar nessa questão. Nossa língua não é fácil e dúvidas são comuns. Pesquisando, você até aprende mais e pode usar esses conhecimentos na escola ou faculdade, por exemplo.
Coloque sempre o seu trabalho acima do seu ego. Aceite as críticas e procure melhorar através delas. Nós não somos profissionais e muitos nem desejam ser, então não ache que sua história é perfeita. Daí, poderemos tirar outra dica: leia sua história com olhos críticos. Em outras palavras, faça de conta que foi outra pessoa que escreveu e você não sabe de nada da fic além do que está escrito na sinopse. Verifique se suas idéias estão claras o bastante, se os diálogos estão bem colocados, se os personagens são bem estruturados e por aí vai. Caso não goste de algo, mude.
E por último, pense muito bem antes de postar suas histórias, pois algumas pessoas vão gostar, mas outras não e críticas vão surgir, e nem sempre serão bonitinhas ou educadas, infelizmente. Se não estiver preparado para receber críticas duras, talvez ainda não seja o momento de trazer seus textos para o público.

Qual a diferença entre histórias alternativas, universos alternativos e universos paralelos?
Histórias alternativase universos alternativos são bastante parecidos. São aquelas que fogem em algum ou vários pontos do que foi estabelecido na obra original, onde, por exemplo, os personagens de determinada história estão sendo utilizados de maneira diferente da original, em um lugar diferente e fazendo coisas diferentes, geralmente com outras formas de agir e pensar, como os personagens de “The Vampire Diaries” vivendo num universo em que vampiros não existem.
Universos paralelossão dimensões paralelas simultâneas, ou seja, uma história situada num outro planeta ou galáxia.

Escrever uma Mary Sue torna minha fic ruim?
Veremos isso mais detalhadamente mais adiante, mas nem sempre. Geralmente um enredo bem escrito com uma história envolvente consegue disfarçar uma suposta Sue. No entanto, escritores devem evitar personagens perfeitos, carismáticos demais, amados por todos, que possam derrubar um prédio com um sopro, sejam guerreiros invencíveis, tenham olhos cor-de-rosa aqui na Terra, treinem artes marciais há pouco tempo e executem golpes perfeitos o tempo todo, que sejam teimosos e/ou provem pros outros como o seu jeito de fazer as coisas é sempre o melhor. Principalmente um personagem que se encaixe em todos ou na maioria dos termos acima.
A versão masculina da Mary Sue é o Gary Stu, ou seja, um personagem forte, lindo, que tenha todas as garotas apaixonadas por ele e é invejado por todos os outros caras da sua fic, etc.
Mas também devemos tomar cuidado com o “anti-Sueísmo exagerado”, quando na tentativa de evitar que certo personagem se torne uma Mary Sue/Gary Stu, o autor recheia sua personagem de defeitos, e sua vida de momentos ruins e angustiantes demais, fazendo com que ela não tenha nenhuma qualidade ou não tenha vivido nenhum momento ruim. Procure sempre equilibrar defeitos e virtudes, altos e baixos.

O que é um "leitor beta" (beta-reader) e onde posso encontrar um?
Esse termo tem sua origem nos softwares: "beta-testers" são pessoas que testam versões de um software ainda não lançado oficialmente para encontrar bugs, dar sugestões, entre outros.
Basicamente, beta-readers são pessoas que se dispõem a ler as fics antes destas serem postadas e são muito importantes porque podem ajudar com a correção ortográfica, gramática, erros de digitação, além de críticas construtivas sobre a história, os personagens, o que funciona e o que não funciona, quais os pontos que devem ser corrigidos, entre outros. Um beta-reader pode ser um amigo, um parente, um leitor que tenha esses conhecimentos e esteja disponível. Basta vocês dois negociarem como farão e tudo certo.

Fanfictions x Originais
Muitos autores acham que se escrever uma história sobre o universo de outro autor e colocar um personagem original a história será original, mas não é bem assim. Uma história só é original quando todos os aspectos dela são feitos por você: personagens, trama, etc.
Ainda que sua história possua vinte personagens criados por você, se ela tiver dois que sejam de um livro, por exemplo, ela não é mais original. Você pode se basear sempre noutra pessoa, mas apenas usar a obra dela como inspiração e jamais copiar a história inteira ou mesmo parte delas, já que plágio é crime, ainda que seja parcial.
Geralmente a escrita é um hobby, mas alguns autores de originais ensaiam com fictions para futuramente escreverem livros e lançarem. Talvez por isso publicar obras originais na internet seja uma faca de dois gumes: ao mesmo tempo em que você pode ser visto por uma grande editora e ter a chance de se tornar famoso, alguém mal intencionado pode se apossar de seus escritos e sair lucrando às suas custas.

O que preciso para escrever uma fanfiction?
Primeiramente, de idéias criativas e que sejam suas. Além disso, é importante que você seja um bom leitor: ler para aprender palavras novas e diferentes formas de narrar, para conhecer diferentes lugares, profissões diferentes... Procure sites de resenhas de livros, converse com seus amigos e escolha livros de qualidade e que sejam da sua preferência. Ler vai lhe trazer conhecimentos importantíssimos, não apenas para escrever histórias, mas para a sua vida diária de uma forma geral. Ver bons filmes ou boas séries também é interessante, principalmente se forem sobre a temática ou a época que você quer abordar.
De uma forma geral, sempre que for escrever sobre um tema que conhecer pouco, pesquise. Em livros, em sites, em diferentes fontes, sempre fazendo um confronto de informações para saber qual dessas fontes está mais perto da realidade e, portanto, deverá ser usada como referência.
Por último, jamais copie o texto de outra pessoa. Uma prática – inclusive ilegal – que vem se espalhando em muitos sites ultimamente é a suposta adaptação de livros. Adaptar é pegar alguns aspectos da obra, como os roteiristas de séries e filmes fazem, mas sempre com autorização expressa do autor. Simplesmente pegar um livro, copiar tudo ou mesmo um trecho e mudar apenas a época ou o nome dos personagens tem um nome, e é plágio, bem diferente de adaptação. Por exemplo, você leu um livro sobre um casal que, apesar de se gostar muito, sofre com a interferência negativa de suas famílias no relacionamento e quer escrever algo parecido, você pode pegar essa ideia e desenvolver à sua maneira, sem jamais copiar a obra original.
Imagine se fosse você: levar meses ou até anos escrevendo uma boa história, se preocupando em pesquisar, encontrar pessoas para ler sua história e corrigir, perder noites de sono para terminar em determinado prazo apenas para ver alguém copiá-la descaradamente. Você iria gostar? Claro que não, então não faça com os outros o que não gostaria que fizessem com você. Além de algo condenável, moralmente falando, roubar algo de alguém é crime e passível até de prisão se o autor original comprovar o “roubo” do texto.

Para encerrar, abaixo seguem outras dicas básicas:
- Quantidade não é sinônimo de qualidade: histórias muito longas não necessariamente são as melhores, portanto não se prenda ao tamanho. Escreva aquilo que você acha que tem que ser e não enrole escrevendo coisas sem sentido só para sua história parecer ser bem trabalhada. Também não escreva de qualquer jeito, para terminar mais rápido ou por preguiça. O segredo é o equilíbrio, nem escrever demais nem de menos. Com tempo e prática, você vai aprendendo a dosar descrições, narrações e diálogos, de forma que nem pareça corrido e feito de qualquer maneira, nem fique soando como enrolação. Além do mais, não escreva pensando apenas no que os leitores gostariam de ver, pense do que você gostaria de ver numa história e siga suas idéias.
- Um bom enredo conta. Ortografia e gramática também.
- Se você pesquisar sobre o que estará falando, com certeza sua história será melhor construída e terá mais credibilidade. Quanto mais você souber sobre um tema, mais você poderá explorá-lo na história, então pesquise sempre. Quanto mais, melhor.
- Não se apresse para terminar uma história somente para publicá-la numa certa data, ou para ser o "primeiro" a escrever um tipo particular de história. Dê o tempo necessário para que ela saia da melhor maneira possível. Os leitores podem se sentir um pouco tristes com a demora, mas com certeza entenderão que você prefere algo bem escrito, mesmo que demore, a algo mais rápido que não ficou bom. Eles serão os primeiros a mandá-lo reescrever o capítulo se não tiver ficado tão bom quanto deveria, então respeite seu próprio tempo.
- Não é porque uma história teve boa aceitação que você precisa se sentir na obrigação de dar continuidade, faça isso apenas se você se sentir apto a escrever. Do contrário, a história dificilmente terá a qualidade da primeira e também não será algo prazeroso para você. Como já foi dito antes, coloque seu ego de lado nesse caso também. Já tivemos muitos casos de sequências de filmes que não ficaram tão boas quanto o primeiro, então pense nisso. Você quer seguir o mesmo caminho?
- Leia com atenção redobrada os diálogos. Fazendo isso você pode saber melhor se um diálogo está muito polido ou se soa muito estranho. Além disso, é um bom meio de se descobrir erros de digitação, entre outros, que escaparam inconscientemente quando se está somente lendo. Diálogo é crucial e ser capaz de capturar o "tom" de um personagem pode ser muito difícil. Cada personagem tem um estilo de falar, um comportamento, sua própria personalidade e sensibilidade. Gaste tempo prestando bastante atenção no que o personagem diz, em como ele diz e quando. Leia o que você escreveu, e se pergunte, "ele/ela falaria isso?" Preste bastante atenção para a escolha de palavras e como elas são ditas.
- Não tenha medo de deixar uma história de lado por um tempo, às vezes isso pode ser um poderoso instrumento para dar uma perspectiva nova ao que se vinha escrevendo. Quando se está em cima de algo por muito tempo, fica difícil ter uma visão crítica do seu trabalho. O mesmo vale para antigos textos, de seis meses, um ano. Não há nada de mal em voltar neles após esse tempo e melhorá-los reescrevendo certos trechos.
- Se uma história empacar e simplesmente não estiver funcionando, não se preocupe. Deixe-a de lado por um tempo e retome mais tarde. Quem sabe você consegue seguir em frente? Se ainda assim não funcionar, não se desespere, nem todas as idéias funcionam. Abandone esse e parta para outra, mas guarde aquilo que já foi escrito, sempre poderá ser aproveitado em algum momento. Você nunca sabe quando pode achar um jeito de fazer a história funcionar.
- Tenha sempre em mãos um caderninho de anotações para escrever pedaços de diálogos ou ideias que eventualmente possam surgir enquanto você está na aula, no trabalho, no ônibus ou em casa. Você nunca sabe quando a inspiração pode aparecer!

Espero que tenham gostado e até o próximo post ;)

Um comentário:

Não gostaria de entrar e tomar uma xícara de café?

Tecnologia do Blogger.