Voltando a Escrever: A Saga

sábado, janeiro 02, 2016

ALERTA de texto gigante à frente. Fique livre para pegar uma pipoca com refri ou tomar água antes de continuar. Não se esqueça de fazer alongamento no pescoço/dedo que rola o scroll do mouse.
.
.
PRÓLOGO

2015 foi um ano bem esquisito pra mim em termos de escrita. A despeito de ter tempo sobrando, só escrevi um pouco no começo do ano. A última vez que eu tinha aberto o Word e escrito algo de fato foi em janeiro, acho, e meio na marra porque o prazo de envio de um capítulo para revisão do curso de escrita que eu fazia já estava no fim.
Desde então, abri minhas histórias pouquíssimas vezes e só fazia algumas atualizações pontuais nelas. Nunca tinha escrito mais nada de novo, nada que eu achasse bom e já começava a pensar que nunca mais ia escrever novamente. Até que aconteceu um fenômeno que há muito tempo eu não via presente em minha vida.


CAPÍTULO 1 - Uma Ideia que Parecia Boa...

Todo esse chororô dos bloqueios começou em 2010 quando tive uma ideia que na hora me pareceu brilhante e comecei a trabalhar nela. Escrevi rapidinho uns seis ou sete capítulos e me divertia bastante com a história, até a inspiração dar uma bloqueada e eu parar de escrever.
Nos anos seguintes, terminei o plot (não estava concluído ainda quando comecei), mudei dreamcast, mudei o estilo de escrita, mudei o plot drasticamente umas duas vezes, fiz uma série de pequenas mudanças no enredo, reescrevi tudo umas três vezes desde o início... Foi um vai e volta sem fim.
Essa história era a que eu tinha escolhido para ser meu livro de estreia um dia, a que eu mandei para a revisão do curso, a que eu mais estive empolgada pra escrever um dia e a que mais me deixou triste quando...
Bom, vejamos o próximo capítulo.


CAPÍTULO 2 - O Começo do Problema

Acho que eu já devo ter dito antes, mas quando enfrento um bloqueio, meu passatempo preferido é ler o que já escrevi. Não somente pra ver se as ideias voltam, mas porque realmente me divirto lendo alguns trechos.
O problema com essa história em específico é que quanto mais eu lia, quanto mais eu falava sobre ela, mais eu tinha a certeza que ela não iria funcionar. Ao menos não como eu tinha pensado até o momento.
Basicamente é uma história que vai deixar muitas dúvidas na cabeça dos leitores no início, e embora todas elas sejam respondidas no decorrer da história, sinto que muita gente não iria ter paciência de chegar lá. E eu, obviamente, não poderia explicar nada porque estragaria o momento da descoberta do que realmente motivou tudo.
Resumo da ópera: a ideia não funciona, não é orgânica e, ao menos nas primeiras páginas, requer bastante suspensão de descrença. O que fazer?


CAPÍTULO 3 - Decisão Difícil

Parei e respirei fundo. Pensei em centenas de estratégias para contornar os problemas e fazer a história mais crível, mas nenhuma ideia me parecia boa. Quanto mais eu tentava mudar algumas partes do plot, pior e mais confuso ia ficando - até pra mim.
Apesar de ser uma de minhas histórias preferidas, chegou a um ponto em que só tinha uma coisa a fazer: aposentar os personagens, largar a história numa gaveta e seguir em frente.
Não foi fácil. Era uma das minhas histórias preferidas (ainda é, de alguma forma), mas até que eu consiga deixá-la boa e ok o bastante para que ela tenha chances de se tornar a história preferida dos outros leitores também, ela está guardadinha e quietinha na minha pasta de desistências (sim, eu tenho uma).


CAPÍTULO 4 - O Inesperado Acontece

Tudo mudou do dia pra noite, literalmente. Ainda lembro a data. 27 de setembro.
Ainda relutante em deixar minha história xodozinho contar como desistência, já devia ser o décimo dia seguido que eu abria a pasta e cogitava retomar a mudança do plot. Como sempre eu acabava resolvendo deixar como estava. Mas sempre fazia isso com aquele gosto ruim na boca. E se eu nunca mais tiver uma ideia boa?
Parece piada, mentira ou coisa de filme, mas no exato momento em que esse pensamento me ocorreu, bati os olhos num título antigo que eu nem lembrava mais que tinha escrito.
Mais por curiosidade do que qualquer coisa, resolvi abrir e reler o que já tinha escrito até então (dois capítulos inteiros e uma boa parte do terceiro). E qual não foi minha surpresa? A história era boa, os personagens eram bem interessantes e eu simplesmente não conseguia me lembrar porque tinha deixado aquele texto de lado.
Peguei o plot e, a despeito de ser uma fanfic de série (só a diretoria sabe qual, vocês descobrirão se lerem quando/se eu postar rs), o planejamento daquela fic era interessante e só precisava de alguns ajustes para virar uma original (agora estou com essa política de só escrever originais, por mais inspiradas em outras histórias que sejam).
E essa é a história de como por não querer desistir de uma história mais ou menos, eu comecei a reescrever outra muito melhor que a anterior.


CAPÍTULO 5 - Mudanças

Levei entre três e quatro dias para reler todo o planejamento, tirar o que era estritamente da série e fechar esses buracos com minhas próprias ideias. E o resultado foi bem melhor do que eu tinha imaginado. Estava pensando em deixar de molho por uma semana mais ou menos para depois reler tudo e ver o que ainda precisava ser mudado (uma dica válida: fazer isso com tudo que você escrever), mas minhas ideias me traíram.
Mal tinha terminado de revisar o final do plot e já me surgiram ideias boas pra escrever o começo. Levei algumas horas pra escrever 800 e poucas palavras e deixá-las do jeito que eu queria, mas foi um ótimo começo.


CAPÍTULO 6 - O Mini-milagre

Daí pra frente, foi uma enxurrada de números.
No segundo dia, escrevi mais de 4.600 palavras. No segundo, 7.569 (que viraram 7.800 nos dias seguintes de revisão). Cheguei ao ponto de terminar 3 capítulos (e dos grandes) em quatro dias.
Algo que nunca, jamais, eu tinha sequer sonhado que podia acontecer. Sempre fui do tipo que levava dias, semanas e até meses pra terminar capítulos médios (entre 2 e 3 mil palavras). Conseguir escrever mais de 15.000 em 3 fucking dias era algo que, até então, era impossível e qualquer pessoa que chegasse pra mim falando que tinha feito isso, eu juraria ser mentira. O dia que eu menos escrevi depois do primeiro (o de 800), consegui colocar mais de 1.900 palavras numa página em branco, o que antes eu levaria uns 3 dias pra fazer.
Principalmente porque eu quase não tive momentos de "hm... essa cena tá ruim, vou reescrever". Eu gostei de praticamente TUDO o que fiz nesse período. Tirando um parágrafo ou outro, tudo ainda está exatamente como quando saiu de minha cabeça.
Mas não é mentira. É a mágica de escrever uma história que você realmente gosta, com personagens que você realmente curte. Tudo muda quando escrever deixa de ser uma obrigação e passa a ser por gosto.


CAPÍTULO 7 - Ponto de Virada

Claro que o que é bom dura pouco. Se você estiver lendo isso no dia em que postei (domingo, dia 18/10), estou completando 6 dias sem escrever nada de novo na história porque fui reler o plot e achei uns buracos que estou trabalhando para fechar e amarrando melhor algumas sub-tramas.
Porém, diferente da história anterior, não estou achando essa parte maçante ainda. É uma sensação... estranha, mas muito agradável corrigir seu erros e ver que a história só melhora quando mais você elabora suas ideias e as deixa mais claras e acessíveis ao possível futuro leitor.
Conceber (literalmente parir) alguns personagens também é outra parte incrível. Eles já estão tomando vida própria e levando a história pra onde querem, e nem têm 1 mês de vida ainda, esses putinhos ♥.


CAPÍTULO 8 - The Sound of Music

Sei que pareço chata quando falo do poder inspirador da música, porque falo isso em todo lugar. Mas lembra daqueles números maravilhosos ali em cima?
Não teria alcançado nenhum deles sem música.
Sério. Os dias que eu resolvia não ouvir a playlist selecionada, as ideias não fluíam do mesmo jeito e eu mudava de ideia. Desistia do silêncio e mal a primeira canção começava, as ideias vinham com a força de mil sóis. Eu quase não conseguia escrever direito, tamanha a velocidade do fluxo de imaginação de cenas, ações, diálogos e da previsão dos futuros desdobramentos de cada parte no futuro da trama.
Mas não era qualquer música.
Não. Tinha que ser as previamente selecionadas. Algumas sequer tinham relação direta com o texto ou os personagens em si, mas inspiravam bastante. Porém as que tinham conexão com o que eu estava fazendo pareciam ter sido feitas praqueles momentos ou praquelas pessoas. Sabe quando você ouve uma música e pensa "mds, o compositor deve ter me acompanhado em segredo pra escrever isso"?
É exatamente o pensamento que meus personagens teriam ouvindo o que preparei pra eles.


CAPÍTULO 9 - Um Caminho Incomum

Outra coisa que descobri ser capaz de me inspirar foi jogos. Pra essa história, destaco dois em especial ("Life is Strange" e "Until Dawn").
Se você os conhece, não adianta tentar adivinhar sobre o que é a história (é segredo e só a diretoria sabe, já disse rs), porque não me inspirei nos enredos, e sim em pontos (como ambientação e construção/interação de alguns personagens). Quando a fic estiver postada, farei um post especial INTEIRINHO pra falar sobre ela (pra vocês verem como estou empolgada ♥).
Até lá, guardem esses nomes. 
Quando souberem do que se trata, talvez eles sejam pistas.
Talvez.


CAPÍTULO 10 - Presente e Futuro

Como falei antes, nesse exato momento estou fechando alguns buracos na trama, amarrando subtramas e desenvolvendo melhor alguns personagens, então não sei ainda quando retomarei a escrita em si, até porque estou ocupada com os estudos e as betagens dos meus lindos autores de bolso.
Mas acho que se tudo continuar como está, vai ser uma das histórias mais rápidas que já escrevi NA VIDA. Se estivéssemos já em novembro, eu ousaria dizer que venceria o NaNoWriMo se resolvesse participar. Mas as ideias vêm quando elas querem e eu não ia ficar um mês com esse tsunami de palavras na cabeça arriscando esquecer tudo.
NaNoWriMo for real fica pro ano que vem, então.
No momento, minha maior dificuldade é escolher nomes maneiros pros capítulos (a julgar por essa amostra, vocês já devem perceber que esse não é meu ponto forte), mas todo o resto já está praticamente pronto, só esperando pra ser devidamente construído.
Na verdade, isso é apenas o começo da Saga do retorno à escrita e muita coisa ainda vêm por aí. Mas será divertido e manterei todo mundo informado.
Se eu não conseguir escrever... bom, pelo menos vocês vão rir se eu quebrar a cara.
Quanto mais alta a subida, pior a queda; é o que dizem. Vamos ver se dessa vez eu me equilibro na corda bamba ou atravesso FLAWLESS pro outro lado.
Sentem-se confortavelmente e acompanhem as cenas dos próximos capítulos.
Literalmente, dessa vez.
XO :*

2 comentários:

  1. Saga tão foda, não sei como não tem comentários hahaha

    Serviu de exemplo pra mim :D

    Até a próxima o/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. HAHAHA Muito obrigada. Que bom que gostou <3

      Excluir

Não gostaria de entrar e tomar uma xícara de café?

Tecnologia do Blogger.