Sobre saber a hora de parar... (ou Voltando a Escrever, a saga - Parte 2)

domingo, janeiro 31, 2016

O texto de hoje talvez não seja muito feliz, mas é imensamente realista. E você precisa estar preparado(a) pra lidar com as realidades não muito felizes, afinal nem só de suor, dedos doendo de escrever, comentários e interação com leitores vive alguém que quer ser escritor(a) um dia.
Também há momentos ruins. E, me arrisco a dizer, talvez esses sejam mais numerosos do que os momentos de alegria. Mas pode ser um aprendizado imenso, mesmo quando dá tudo errado.
Partindo da ideia de que, para um escritor, uma história é como um filho, o que vou dizer agora não é fácil, embora eu creia que todo mundo que escreve já passou por um momento semelhante: desisti de uma história. Sim, por mais que me doa, por mais que eu goste dela, por mais que ela tivesse algum potencial, simplesmente não rolou.
Me despeço de "Eterno" e seus personagens bastante triste, mas para alguns deles ainda haverá vida depois do fim (essa é a vantagem de deixar tudo salvo direitinho: podemos aproveitar coisas de uma história em outra). Só que o enredo simplesmente não se sustenta da forma como eu queria.
E digo "queria" ao invés de "planejava" porque é esse o problema: as coisas não se sustentam de forma natural e "orgânica". Fica aquela aparência de "X coisa aconteceu porque a autora quis" a quem for ler que mata totalmente a história.
Antes que alguém me pergunte porque, então, eu simplesmente não mudo isso, a resposta não é tão simples. É que para dar o efeito que eu planejara antes de tudo, eu precisaria de alguns fatos exatamente dispostos numa ordem X, e talvez por isso as coisas não funcionem tão bem quando vou escrever. Talvez seja por isso que eu viva bloqueada para essa história, que eu nunca passe do 8º capítulo, que eu tenha perdido completamente o interesse nela nos últimos meses e até mesmo a que eu comecei há 15 dias pareça muito melhor que ela.
Ela não funciona. Não importa o que eu tente. E a única forma de fazê-la mais "ok" é dar de cara informações que farão com que ela perca metade da graça. Talvez depois eu descubra uma forma de solucionar isso, mas por hora "é só isso, não tem mais jeito. Acabou, boa sorte" ♪
Mas enfim... Não escrevo isso pra me lamentar ou fazer mimimi. Quero aproveitar algo ruim que aconteceu comigo para aprender e, consequentemente, passar isso adiante.
Nós precisamos saber a hora de parar, a hora de deixar uma história descansar para sempre. Jogar as armas, pendurar as chuteiras e seguir em frente.
Esse momento chega de formas diferentes para cada um(a) de nós, mas é importantíssimo saber quando. Se sua história não parece natural, se ela não parece boa e, não importa quantas vezes você mude de estratégia, ela continue não boa o bastante para ser postada, deixe-a de lado por um tempo e passe para a próxima.
É o melhor a se fazer. Se o interesse voltar e você quiser retomá-la (especialmente depois de ter descoberto a resposta para o problema que o/a afastou dela), ótimo. Se não, não se culpe. Acontece.
E é melhor que você a pare logo, antes de perder tempo que poderia estar usando para investir numa história melhor e com mais potencial ainda. Em muitos casos, não vale a pena ficar revirando e mudando enredos de alto a baixo. Deixe descansar.
Se a vontade de continuar voltar, é porque a história vale a pena. Se não, bom... Há sempre novas histórias esperando para ser contadas por você.
Seu trabalho é encontrá-las (e escrevê-las).
Até mais :*

Nenhum comentário:

Não gostaria de entrar e tomar uma xícara de café?

Tecnologia do Blogger.