Top 5: Coisas dos Livros que Eu Não Reclamaria se Mudassem

domingo, janeiro 17, 2016

Primeiramente, não se ofenda com o que você vai ler aqui, é apenas minha opinião e até eu já escrevi algumas coisas com essas características.
Sei que é difícil escapar totalmente de clichês a esta altura do campeonato e quase tudo já foi feito, mas não custa nada pelo menos tentar colocar a sua cara naquilo que você escreve, fugir de algo que já tenha sido feito à exaustão. Também não tem problema escrever algo com uma trama meio clichê, mas... poxa, deixar a história inteira com cara de "já li isso antes"? É demais.
Esse é o problema: ler uma história X uma ou duas vezes, até vai, mas tem gente que insiste em escrever a mesma coisa over and over again.
E com vocês... Coisas da literatura em geral que eu não reclamaria se mudassem um pouco, só pra variar.


5) Geral - Pouca originalidade
Vou atirar pra todos os lados aqui.
Novamente, nunca escaparemos totalmente de clichês, mas é possível dar uma nova roupagem a ele. Podemos sempre procurar imprimir algo de nosso naquilo que fazemos, deixar algo com a nossa cara, por mais que tenhamos nos inspirado em obras preexistentes.
O problema é que temos, cada vez mais, poucas vozes e muitos ecos.
Sempre que um livro de estilo X faz sucesso, aparecem trocentas cópias mal feitas pra tentar emular a repercussão. Algumas dessas pegam. O livro original, o pioneiro, nem precisa ser necessariamente um primor, uma obra-prima literária. Basta ser muito vendido e lido.
E acontece em todos os gêneros: quantas cópias baratas de Game of Thrones, 50 Tons de Cinza, Jogos Vorazes e Harry Potter (só pra citar alguns poucos exemplos) a gente já não viu por aí? Ler X duas, três ou quatro vezes é até ok. Mas ler a mesma história dezenas de vezes? Tenha dó! Detalhes até mudam (ainda bem, se nem isso fosse diferente tava foda), mas o grosso, a estrutura principal continua se repetindo. E isso é frustrante.
Se você só quer holofotes, dinheiro e fama, não tem nenhum problema seguir o modelo. Boa sorte. Mas se você quer mais do que ficar à sombra de alguém mega famoso que veio primeiro, tente se desvencilhar de suas referências.
Lembre-se: inspiração sim, cópia não.

4) Suspense/Mistério - Soluções bobas para os problemas
Você pega a sinopse e acha o livro a coisa mais genial do mundo. O problema é enorme e tudo o que você quer na vida agora é saber como ele vai ser resolvido. Formula dezenas de hipóteses, discute com os amigos, procura fóruns...
Mas quando chega no final, é uma decepção. O autor parece que tirou a solução da orelha. Não é por ser algo que você não esperava (é ótimo ser surpreendido, ainda por cima nesse gênero). É por parecer tão forçado, tão desconectado do resto da trama que parece que o autor não sabia como acabar e terminou de qualquer jeito só pra poder colocar um ponto final naquele conjunto de páginas que vinha escrevendo.
Tem até série de TV que a gente pode encaixar aqui...

3) Terror - Protagonistas Burros(as)
Esse é um clássico. Me arrisco até a dizer que boa parte das histórias de terror (livros, filmes ou séries) não existiram se seus protagonistas fossem realmente inteligentes - ou tivessem o mínimo de cautela ao agir.
Pensa comigo: você trabalha o ano inteiro, acorda cedo, pega ônibus lotado, aguenta chefe mala e colegas de trabalho retardados, chega em casa tem que colocar tudo no lugar e ainda precisa arrumar tempo pra ficar com a família pra ninguém ficar te cobrando. Chega o fim do ano. Férias! Finalmente o tempo que você vai ter pra poder relaxar e desanuviar a mente. Que local você escolhe?
a) uma praia calma pra curtir o mar, uma casinha isolada nas montanhas, um spa relaxante ou uma viagem incrível praquele lugar que você sempre quis visitar
b) uma casa abandonada, caindo aos pedaços em um lugar isolado ou com uma vizinhança estranha com boatos de que tem fantasmas nela.
Se você é uma pessoa normal, respondeu A. Se é um protagonista de história de terror, grandes chances de ter o QI de uma ameba e ter escolhido a letra B.
POR QUE, OH SEM-OR?
E olha que nem falei daqueles mocinhos ou mocinhas que, ao ouvir um barulho esquisito, vão investigar o que está acontecendo sem nenhuma arma para se defender. Ou que nos brindam com o clássico "quem está aí?"
Parece até que a entidade vai falar "eu, o capiroto. Tou aqui de boas na cozinha fazendo sanduíche. Quer o seu com catchup?".
Bitches, please!

2) Fantasia - História Igual à Nossa
Essa é uma das coisas que mais me incomoda nesse estilo. Eu acho que poderia fazer um top 5 só com coisas irritantes da ficção fantástica, mas vou me limitar a um que vejo com mais frequência.
Não importa a época em que se ambienta sua história ou em que tempo o autor se baseou. Os costumes, as sociedades, as regras de convívio, as estruturas.... Quase tudo é muito parecido ou até mesmo igual à Idade Média.
Na verdade, é igual a qualquer tempo que o autor tenha tomado como base, mas praticamente todas as histórias de fantasia se passam em mundos medievais. Agora por alto, não lembro de nenhuma que tenha lido que não seja. Claro que algumas pessoas procuram diferenciar a maior parte e acabam conseguindo fazer algo legal, mas a grande maioria é tão perto do que aconteceu de fato nesse período que fico me perguntando se não seria muito mais simples escrever um romance histórico a se dar ao trabalho de construir todo um mundo.
Por mais que seja um período legal, que de tanto falarmos sobre (e vermos os outros falando sobre) acabe gerando mais ideias, mas a história humana é vastíssima. Existem vários outros períodos legais pra gente abordar e se inspirar. Que tal começar a mudar um pouco?
E olha que nem falei (+1) da verborragia e descrições exageradas que costumam aparecer em quase todos os livros do gênero...

1) Romance Romântico - Motivação da(o) Vilã(o)
Isso é tão novelesco que me dá preguiça de escrever. Tento pensar por alto alguma novela que eu tenha visto cuja motivação principal do vilão ou vilã não seja somente separar o casal principal, mas olha... Não lembro de nenhuma.
É sempre a mesma coisa. Os vilões de novelas (e vários e vários livros de romance) são sempre lindos, ricos, esnobes, que se fingem de boas pessoas só pra se aproximarem se seus objetos de desejo e começam a dedicar suas vidas a separá-los de seus parceiros.
Puta que pariu mil vezes!!!!!!!
A pessoa é linda, rica, pode fazer o que quiser da vida, namorar com qualquer pessoa, mas me encasqueta com um fulano e passa a ter como ÚNICO OBJETIVO conseguir essa pessoa. Que vida triste!
Vai ler um livro, adotar um cachorrinho, fazer serviço voluntário, viajar o mundo, fechar uma casa noturna e encher a cara, MAS DEIXA A PESSOA EM PAZ.
Os casais também costumam ser bem irritantes. Não felizes com a história chata do fucking amor à primeira vista que vai durar pra sempre, ainda nos brindam com idas e vindas o enredo todo pra só ficarem juntos no final. Pra fechar com chave de cocô, eles nunca se separam porque... sei lá, a relação desgastou, o amor acabou, querem dar um tempo e ficar um pouco sozinhos.
Não! É sempre porque outra pessoa se meteu, geralmente o vilão (em um de seus poucos momentos de glória).
Sinceramente? Boring. Do começo ao fim.


De novo, não se ofendam. É só minha opinião.
E por fim, há mais algo na literatura que irrita vocês? Alguma sugestão sobre outros gêneros? Deixa aqui nos comentários e até mais :3

4 comentários:

  1. Finalmente alguém que falou algo que eu concordo totalmente. A falta de originalidade, de ir além do que estamos cansados de ver. Porque é claro que teremos clichês. Claro que não dá pra ser totalmente único, porque pegamos uma série de influências. Mas, a gente consegue dar nova roupagem, mudar o desfecho, colocar uma carta na manga e puxar pra outro enredo. Parece que as pessoas tem muito medo de arriscar e tentar algo novo.

    http://criptografandosonhos.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  2. Faz algum tempo que não leio romance por causa disso, não consigo entender os personagens. Terror, fantasia e mistério são os meus gêneros e confesso que fugir do clichê é MUITO difícil, talvez por falta de prática (Escrevo tipo, duas vezes por mês? Mas quando escrevo fico escrevendo até dar dor de cabeça-tipo agora-)

    ResponderExcluir
  3. É revoltante encontrar histórias sem originalidade. Depois do livro Cinquenta Tons de Cinza, basta entrar no Wattpad ou em qualquer outra plataforma que você encontrará milhares de livros com a mesma estrutura e com os mesmos personagens sem personalidade, vulgo Anastasia/Bella Swan.
    Sobre o quarto item, você tirou as palavras de minha boca... Hello, Lost! Uma das primeiras séries que assisti e me apaixonei, criei várias teorias, entrei em fóruns... E no final aquela bosta! Foi decepcionante.
    Vilões mal construídos são uma ótima maneira de me fazer odiar a história. Em qualquer gênero é importante a construção de personagens profundos, mas em romance romântico é essencial. Mocinhas sem personalidade, vilãs fúteis e com a única motivação de estragar o romance melado do casal protagonista, não são legais!
    Adorei a postagem. Só verdades rs

    ResponderExcluir

Não gostaria de entrar e tomar uma xícara de café?

Tecnologia do Blogger.