Leitores: Hoje a Conversa é com Vocês

domingo, maio 22, 2016

Olá, pessoas bonitas.
Como estão? Espero que bem.
O post de hoje foi inspirado pelo comentário da Bella Nine, respondido aqui. É um tema que pode dividir opiniões, já que imagino que muita gente talvez discorde (embora eu creio que isso talvez aconteça mais pela minha abordagem do que pelo tema em si).
Enfim, vamos ao post.
Hoje eu quero falar com os leitores de fanfics/originais (embora sirva pros leitores tradicionais, de livros, também). Se você também escreve, ok, mas falarei apenas com seu lado leitor hoje.
Creio que muitos dos que leem esse post têm a leitura como hábito há alguns anos, não importando o que se lê. É normal que com o tempo nosso gosto literário vá se tornando mais “refinado” e a gente passe a gostar de outros tipos de histórias, até pelo próprio amadurecimento mental que é esperado que a gente adquira com os anos. Creio também que a grande maioria de nós (e acho que me incluo aqui) tende a ser aquele tipo de leitor mais equilibrado, que mesmo tendo um olhar crítico mais apurado, não se considera exatamente um crítico literário, no sentido mais correto do termo (eu, particularmente, costumo ficar bem em dúvida às vezes se algo que não gostei em um livro é porque de fato está “errado” ou por ser apenas um estilo diferente, que não me agradou). Um leitor “equilibrado” tende a preferir escritores que evoluem, que melhoram com o tempo, mas também sabe entender que isso leva muito tempo, que há estilos e estilos, que muitas coisas são apenas questão de gostos diferentes.
Há, porém, outros dois grupos que se encaixam nos extremos. De um lado, temos aquele leitor que cobra bastante dos escritores que lê, seja no sentido positivo (de exigir sempre que os escritores busquem dar o seu melhor naquilo que fazem) ou negativo (quando alguém quer que o mundo se adapte aos seus gostos por pura birra ou incapacidade de lidar com o pensamento discordante).
E do outro… Bem… Temos aqueles que aceitam tudo. Tanto faz se o enredo está bem construído ou não, se o personagem está consistente ou não, se o autor quer melhorar ou não. Pra esse leitor, tá tudo ok. E se com o leitor exigente pelo lado negativo, o escritor encontra dificuldades em evoluir, com o leitor apático, pra quem tudo está bom, ele também não vai muito longe.
Não quero com esse post dizer que o meio-termo é perfeito (leitores “equilibrados” também possuem seus defeitos literários, como todo mundo, e mais cedo ou mais tarde acabamos pendendo pra um dos lados). Apenas que, enquanto leitores, temos que respeitar nossos escritores preferidos, mas também temos que saber o momento de exigir um pouco dele e o de deixá-lo mais livre.
Eles também têm vida, então não podem escrever o tempo todo apenas pra nos entreter (especialmente escritores de fics, que não ganham nada com isso). Eles também possuem suas preferências, tanto de leitura como de escrita, logo não são obrigados a escrever de forma X ou Y apenas porque estamos cobrando.
E eles também são pessoas normais, que acertam e erram, mas que muitas vezes não conseguem identificar onde estão errando, e por isso precisam de nós: um segundo olhar, capaz de tomar certa distância do texto produzido e analisá-lo mais criticamente para oferecer uma resposta apresentando tudo o que gostamos ou não, o que já está bom e o que ainda precisa melhorar.
Os escritores querem (e precisam) que a gente interaja com eles.
Ora, por que alguém se daria ao trabalho de escrever e publicar um livro (um processo bastante difícil, se você pesquisar a respeito vai ver) ou tirar horas do seu dia para escrever uma história e disponibilizá-la gratuitamente na internet se não quisesse que a gente falasse com eles de volta? Se não quisessem que a gente dissesse se conseguiu se emocionar e entrar naquela história, torná-la parte de nós? Se não quisessem que a gente dissesse onde eles estão acertando, para que possam continuar acertando, e onde estão errando, para que possam corrigir e melhorar?
(Sei que muita gente odeia qualquer crítica, mesmo as que querem ajudar, e evoluir passa longe da cabeça dessa gente; mas isso é assunto pra outro post. Por hora, vamos trabalhar com essa hipótese, ok?)
Poucos continuariam escrevendo e divulgando se não quisessem que a gente desse feedback. A grande maioria das histórias que amamos continuaria nas gavetas ou talvez jamais tivessem sido escritas se não fosse por esse desejo de falar e ouvir de volta. Então chega dessa apatia. Chega de aceitar tudo. Já deu de compactuar com autores que escrevem mal apenas por preguiça nossa de apontar as falhas ou medo de sermos mal recebidos.
Muitas vezes, a pessoa simplesmente não sabe que “concertesa” se escreve separado e com Z no lugar do S. Se a gente não for lá e apontar isso, ou preferir o caminho fácil do “adorei, tá perfeito, continua”, isso nunca vai mudar. Ele nunca vai aprender, e continuaremos com 70% (estatística tirada do DataVivência, não leve a sério) dos sites e prateleiras de livrarias atulhadas de histórias que não conseguimos ler por mais de dois ou três capítulos (isso quando temos estômago de começar).
Em outras palavras, por mais que não tenhamos obrigação de fazer isso (ninguém é obrigado a nada, aliás) e ninguém deva jogar seus erros nas costas dos outros, as constantes reclamações de que os sites de fanfics estão cheios de porcarias e muitos dos livros que saem atualmente seriam mais úteis como pesos de porta e papel do que como algo que se deva ter na estante continuarão ad infinitum se a gente não tomar uma providência.
Claro que não é pra ninguém sair por aí “sua história é um lixo, apaga essa merda”. As pessoas merecem respeito, cacete, então se você for lá deixar um flame, queimar a pessoa pura e simplesmente, é melhor não falar nada mesmo, abandonar aquela história e partir pra próxima. Mas se você identifica falhas em determinada fic ou determinado livro, não custa nada apontá-las também quando for falar do que gostou, seja através de review, resenha, e-mail pro autor, etc. Procure balancear o que tem a dizer. Compreendo que só com críticas ninguém se motiva, mas só com elogios ninguém evolui.
Evidencie sempre o que gosta em determinada história, mas não tenha vergonha ou medo de indicar o que não gosta ou o que pensa estar “errado”. Se a pessoa não aceitar, isso já é problema dela. Faça sua parte e colabore com a evolução literária daquela pessoa (embora esse esquema de críticas respeitosas e sinceras funcione para qualquer âmbito das nossas vidinhas).
Lembro de já ter dito isso em outro post, mas não custa retomar. Sei que muita gente odeia receber críticas, xinga as pessoas e se recusa terminantemente a pensar, nem que seja por um segundo, que talvez haja algo errado mesmo e não é “inveja” ou “recalque” (meu Deus, como eu odeio gente que pensa isso! Até vou anotar pra escrever MESMO esse post). Mas, com certeza, vai ter alguém lá fora que não só precisa ouvir críticas, como também as deseja, alguém que está verdadeiramente interessado em fazer melhor e só precisa descobrir como. Vá lá e ajude. Essa pessoa lhe será eternamente grata.
Por hoje é só (COF COF). Espero que tenham gostado. Caso não concordem ou tenham algo a acrescentar, melhorar, corrigir, não tenham medo. Só deixar nos comentários.
Até a semana que vem ;)
Elogios, críticas e sugestões, só deixar os comentários. Caso tenha um pedido de post, só deixar nesse link :3

Nenhum comentário:

Não gostaria de entrar e tomar uma xícara de café?

Tecnologia do Blogger.