Top 5: Dicas para Terminar (Decentemente) uma História

domingo, junho 26, 2016



Muita gente tem problemas em terminar histórias. O meu é muito mais deixar a preguiça me pegar no meio do caminho, já que por culpa dessa piranha só devo ter terminado umas três ou quatro histórias até hoje.
Mas é realmente uma parte complicada. O final precisa fechar todos os conflitos e problemas de sua história (exceto se você quiser deixar um gancho para uma continuação, mas mesmo assim há ciclos que precisam ser fechados), e tem que terminar de uma forma condizente com o que você planejou no começo, respeitando não apenas as personalidades dos seus personagens, mas também o gênero escolhido.
O post de hoje vem trazer uma luz, ainda que mínima, a essa questão. Faz um panelão de brigadeiro e vemk ler.



5) Comece a escrever com o final em mente
Por mais que muitas pessoas prefiram escrever sem planejamento nenhum e se deem bem assim, ter pelo menos um desenho do que você quer fazer e para onde quer ir com a história costuma ajudar bastante, mesmo que você não registre essas ideias.
Se possível, pense já antes de escrever o começo como você pretende fechar a história, mesmo que depois precise alterar ou reescrever esse final. Isso fará com que sua mente tente ficar focada no que você deseja e não se abrindo para mil e uma possibilidades, o que pode ser algo muito bom, mas também pode fazer com que você se perca e saia totalmente do que queria.
Agora imagine começar lendo um livro de romance romântico super fofo e, do nada, ter a sensação de que ele vira um thriller psicológico, cheio de suspense e tensão? Se você gosta, ótimo. Mas... e se for um estilo que você odeia? Largará a história sem pensar duas vezes, não é?
É exatamente o que seu leitor fará. Relatos não faltam de pessoas que largaram livros ou fics porque seguiram um caminho nada a ver, mudando radicalmente até mesmo de gênero literário. Com certeza, você não vai querer entrar nessa estatística, então fique atento ao que planejou. O que nos leva ao tópico a seguir...


4) Escolha um final que se encaixe com a história
De novo, voltamos à questão do gênero. Dependendo do que você escolher, alguns finais planejados podem ser inviáveis. Vamos pegar o livro de romance lá de cima. Imagine uma sinopse clichê pro estilo, com uma capa fofinha e um nome super bonitinho, que promete uma história de amor de tirar o fôlego com um final feliz.
Agora imagine que, no fim desse livro, o casal principal morre de uma forma trágica e chocante. Por mais que a escrita seja boa, não tem como evitar aquela sensação de que fomos enganados. É uma quebra de expectativa muito grande, e você terá que ser bem convincente no todo para que o final case com o começo e meio da história. E, mesmo assim, é um grande risco de que seus leitores saiam decepcionados.
Exagero? Então vamos trocar. Imagine agora um livro de terror, com capa sombria e sinopse assustadora. Um terrível assassino que mata suas vítimas com torturas extremamente dolorosas está à solta e o autor ainda promete elementos sobrenaturais e deixa claro que o vilão é um psicopata irremediável ao longo da trama.
Apenas para chegar ao final e todo o grupo do protagonista sair vivo e bem, com todos os planos dando certo, com direito a casamento e filhos no fim, e o vilão extremamente maldoso é magicamente curado após encontrar o amor nos braços da irmã do personagem principal.
Tenho certeza que sua única vontade ao terminar o livro vai ser jogá-lo com força na cabeça do autor (e isso se você chegar ao fim). E, de novo, você não quer que isso aconteça com você, certo?
Então mais do que respeitar as personalidades dos seus personagens, as regras do seu universo e a inteligência do leitor, é preciso também respeitar seu gênero. Leia muitas obras e estude os clichês clássicos dele. Inovações são sempre bem-vindas, mas antes de quebrar o tradicional, é preciso saber qual sua estrutura e porque essa "fórmula" fez/faz sucesso há tanto tempo. Só assim você pode definir estratégias para surpreender seu leitor sem deixá-lo revoltado ou com a sensação de ter sigo enganado o tempo todo.


3) Cuide pra fechar os buracos e resolver bem os conflitos
Esse é um dos pontos principais. Como já disse, mesmo que você planeje uma continuação, algo precisa se resolver naquele volume.
Em outros posts falei da importância do planejamento, então você já deve estar careca de saber que entre outras coisas, ele ajuda a não perder de vista todas as perguntas que você precisa responder no seu final.
Mas apenas responder tudo não basta. Aquelas soluções que parecem caídas do céu do nada pra salvar seu personagem são tão ruins quanto chegar ao final e perceber que nem metade dos conflitos foram resolvidos. Lance pistas da solução ao longo da história, desenvolva suas estratégias para a resolução e mãos à obra.

2) Saiba o momento certo de terminar
Vamos imaginar uma história com 100 páginas para o exemplo a seguir: não tem nada mais chato do que a solução do mistério final aparecer na página 60 e o resto ser só o escritor contando como os personagens voltaram para casa e divagações sobre como as vidas deles continuaram depois.
Por mais que apareçam umas coisas importantes, não é legal estender o final pelo mesmo motivo de que é pior ainda fazer continuação apenas por fazer: é esticar a história ao máximo por apenas um capricho do autor, por dinheiro, por pedido dos leitores ou por inabilidade literária mesmo.
Assim como a história tem o momento certo de começar, ela tem de terminar também, e esticar isso apenas fará com que seu leitor se aborreça.
Há, obviamente, histórias em que o começo, o meio e o final vêm em ordem diferente, misturados uns nos outros, etc. Mas de novo: para inovar, é preciso conhecer bem o tradicional e saber onde quebrá-lo. Estude estrutura literária, desenvolva suas estratégias para renovar a sua narrativa e mãos à obra.


1) Releia e revise
Essa dica não podia ficar de fora, obviamente.
Ao terminar sua história, deixe passar um tempo e releia tudo, não apenas para corrigir erros de português e furos no enredo, mas também para observar se o final é aceitável, se casa com o resto da história, se conclui bem a jornada dos personagens.
Se não achar que está bom, reescreva e revise até que esteja, simples assim. Há uma frase bem bacana que diz que colocar o ponto final na história é apenas o começo do trabalho, porque muitas e muitas revisões ainda virão até que ele esteja realmente pronto para conhecer os leitores.
Infelizmente, para nós, isso é verdade.



E vocês? Que estratégias vocês usam para finalizar suas histórias? Há mais sugestões para essa parte da escrita? Deixa nos comentários ;)

Nenhum comentário:

Não gostaria de entrar e tomar uma xícara de café?

Tecnologia do Blogger.