Top 5: Pensamentos que Escritores Deveriam Abandonar para Escrever Melhor

domingo, fevereiro 12, 2017


Algo bem recorrente em locais com muitos escritores é alguém estar desmotivado com a escrita, com um bloqueio, pensando em desistir ou até que já desistiu.
Eu mesma não conto quantas vezes já fiz posts do tipo até perceber que boa parte das dificuldades que nós enfrentamos está em nossa própria mente. O maior inimigo de um escritor acaba sendo ele mesmo, muitas vezes. E o que é pior: geralmente, a gente nem se dá conta de que está se ponto pra baixo e se sabotando.
O post de hoje lista cinco pensamentos bem recorrentes que qualquer um de nós já teve pelo menos uma vez e tenta dar caminhos para superar aquela vozinha troll na nossa cabeça. Sente no divã e relaxe! Hoje temos uma sessão de post-terapia.


5) "Nunca vou conseguir terminar"

Estou passando por isso nesse exato momento. Duas histórias que quero retomar enquanto deixo Moonlight de lado para revisar com olhos clínicos na próxima vez, mas sempre empacam no meio.
Algo que funcionou em outros momentos (e talvez não estejam rolando com essas duas porque ainda não consegui descobrir) é tentar identificar o principal motivo que o/a impede de chegar ao fim da história.
Muitas vezes são problemas no planejamento que deixam a trama confusa, alguma falha de enredo que o deixe desinteressante ou personagens sem muito carisma. Quando a gente não gosta do que está escrevendo e não se sente motivado/a, é mais difícil continuar e vem esse sentimento de que nunca vai chegar ao fim.
Primeiramente relaxe! Tente identificar o problema e definir estratégias para superá-lo. Se o problema é tempo, experimente organizar seus horários, registrar uma agenda e tentar rastrear um horário que você possa escrever nem que seja por 10 minutos.
Se são problemas mais técnicos, estudo e prática sobre sua maior dificuldade podem ajudar bastante. Se o problema é de inspiração, experimente tirar uma folga breve e ir ler outras histórias. A leitura ajuda bastante a dar ideias. Ver filmes ou séries bacanas e ouvir músicas também são uma ótima pedida. Mesmo exercícios ao ar livre podem quebrar um galho.
Já se o problema é motivação, veja o que está tirando sua disposição e principalmente se você não se sente mais a fim de escrever qualquer coisa que seja ou é apenas esse texto em específico. De qualquer forma, uma folga sempre ajuda. Vá fazer outras coisas e arejar a mente. Ficar eternamente debruçado em um único texto tende a cansar sua mente e matar seu interesse mesmo. Divirta-se com outras coisas e depois, só depois, volte ao trabalho.


4) "Nunca vou ser tão famoso(a) quanto Fulano(a)"
Primeiramente, pegue essa pistola metafórica aí ao seu lado e mate esse pensamento agora!
Você não precisa ter fama, muitos números ou ser conhecido/a em todos os lugares para escrever bem. Seus números não definem quem você é nem a qualidade do seu trabalho. Há sim, histórias boas famosas, mas também tem umas com falhas gritantes. Por outro lado, há sim histórias ruins enterradas no limbo, mas outras ótimas esquecidas. Não é justo, mas é o que acontece.
Feedback é muitíssimo importante, mas você tem que persegui-lo pelo conteúdo, não apenas porque ele irá aumentar seus números. É como viajar e se preocupar apenas em chegar, sem aproveitar a paisagem.
Não é porque alguém tem mil comentários e você apenas dois que sua qualidade de escrita é inferior. Até porque alguns aspectos dessa qualidade são relativos (farei um post relativo a isso no futuro, mas pode acontecer de uma história ser ótima em termos de técnica enquanto tem um tema que não prende o leitor, e consequentemente terá menos pessoas acompanhando).
Mais do que isso: não ataque o trabalho do amiguinho apenas porque ele é mais famoso. Como disse, óbvio que há histórias ruins que ficaram famosas por qualquer motivo, mas não é pelos números que você saberá disso. Além do mais, é muito feio pra você falar mal do que não conhece. Ao menos leia a história antes de tecer suas opiniões e, ao constatar problemas, não custa nada escrever uma crítica construtiva.
“Ah, mas e se a pessoa me xingar por isso?”. Problema dela. Sua parte você fez em ajudar. Vai ficar feio agora pra ela ser escrota com alguém que apenas queria ajudar.


3) "Nunca fica do jeito que eu quero"
Vamos voltar aos conselhos dados lá em cima. Reflita sobre o que você planejava para essa história (não precisa ter feito um planejamento formal, basta se lembrar do que você tinha pensado para ela originalmente) e avaliar as mudanças.
Muitas vezes, mudanças não são negativas por si só. Ao contrário, há algumas que podem deixar até seu trabalho final mais interessante do que você queria originalmente.
Em Moonlight, a versão atual ficou bem diferente da que eu tinha pensado originalmente, mesmo o básico ainda estando ali. E não ficou ruim. Acho até que vocês gostarão muito mais dessa versão do que o meu plot inicial, se eu tiver coragem de contar como era HUE.
Então pense direitinho: as mudanças deixaram meu texto melhor? Caso não, há algo que eu possa fazer para reverter ao que eu queria originalmente? Começar um plot daqui (caso ainda não tenha um) ajudaria a saber como a história vai seguir daqui pra frente? Precisarei recomeçar tudo do zero?
O que importa é: ao decidir refazer o plot, faça em um documento separado e salve como “Plot – Versão X” ou similares. Assim você não perde sua ideia inicial. A mesma coisa com eventuais cenas excluídas. Você pode mudar de ideia e incluí-las novamente ou usá-las em trabalhos futuros.


2) "Preciso agradar meus leitores"
Mais um pensamento para matar sem dó.
Claro que é legal ouvir seus leitores, já que vez por outra eles dão sugestões importantíssimas que pode valer a pena seguir. Mas nem todas as dicas e ideias são viáveis, seja porque provocariam uma mudança muito gritante no que já está planejado ou simplesmente porque você não curtiu a dica.
A primeira pessoa que precisa estar feliz com seu trabalho é você. Repita isso até que aprenda. Se você não está feliz com sua história, se a motivação não está em alta, não vai rolar e ela será abandonada mais cedo ou mais tarde ou a qualidade ficará lá embaixo.
Já escrevi mais de sete mil palavras em um dia e terminei uma história bem longa em menos de um mês, mas apenas porque eram histórias que eu amava (e ainda amo de paixão) e queria muito contar. Sem isso, não adianta forçar.
Claro que você também não precisa ser uma pessoa grosseira e ignorar solenemente seus leitores. Abra o jogo e fale que talvez não dê pra seguir todas as sugestões, mas que está ali para ouvir o que eles tem a dizer e quer saber as teorias. Eu, pelo menos, estou ansiosíssima para saber que hipóteses serão criadas em cima de Moonlight.
Também é interessante ouvir os leitores porque ideias que você não pode usar numa história podem ser guardadas para irem parar em outra história no futuro. Já tenho umas duas ou três oneshots planejadas com base em ideias que me deram em comentários de outras histórias.


1) "Escrevo muito mal"
Acho que é um dos pensamentos mais comuns. Todos nós já pensamos isso em algum momento, principalmente quando comparamos nossa escrita a de outros escritores que admiramos. Já tive vontade de deletar tudo e chorar em posição fetal ouvindo Adele após ler alguns textos do Nyah, mas ok. Vida que segue hehehe
O ponto principal é que todo mundo começa escrevendo mal. Sabe aquele autor ou autora conhecida no mundo todo? Um dia os livros dele/a foram textos sofríveis. Aquela fic incrível que você achou na internet? A mesma coisa.
A única coisa que diferencia essas pessoas de nós é que elas estudaram e praticaram pra caramba para superar suas deficiências literárias (e se você perguntar, certamente ainda vão dizer que escrevem mal pra cacete, testa aí). Você também pode melhorar.
Identifique suas falhas. É no enredo? Nos personagens? No português? Com o problema em foco, pesquise livros e artigos, peça ajuda a amigos que saibam um pouco mais que você, procure um beta-reader... Comece a trabalhar de verdade no que você está fazendo de errado e não tenho dúvidas: você vai superar isso.
Quando comecei a escrever em 2007 (PELAS BARBAS DE ODIN, TINHA GENTE ME LENDO HOJE QUE TAVA NASCENDO NESSA ÉPOCA, SOCORRO), meus personagens eram altamente estereotípicos (não estereótipos negativos, mas ainda assim eram planos e sem muitas evoluções ao longo da trama), eu escrevia sem plot e sem pesquisar nada, tirava os nomes dos personagens do cu (tinha uns ridículos) e ia escrevendo o que dava na telha. Inclusive ripei uma delas nesse post, vemk passar vergonha junto comigo.
Não que eu esteja no nível Machado de Assis, tampouco superei todas as minhas dificuldades (ainda quero melhorar minhas cenas de ação e de hot, já que as tretas e as sacanagens – na cama e metafóricas HUE – serão importantes para uma história futura). Mas comparo esse texto incrivelmente velho com o primeiro capítulo de Moonlight e fico feliz com minha evolução e pelo fato de eu ter superado falhas profundas.
Aliás, se vocês lessem a primeira versão de Moonlight e depois fossem pra o primeiro capítulo reescrito, iam ficar “eita” com as diferenças sutis, mas que deixaram o texto bem mais limpo e agradável de ler.
Nesses momentos, olho pra trás e vejo que as noites em claro de pesquisa, que passei lendo coisas, praticando, arrancando os cabelos quando não funcionava e chorando porque achava que ia escrever só porcaria sempre valeram muito a pena e também podem valer para você.
Talvez você nem escreva mal mesmo e isso seja só sua mente achando um jeito se sabotar seus planos e fazê-lo/a desistir de seus sonhos. Não dê ouvidos a ela e continue se esforçando, estudando, praticando e escrevendo. E se for o caso de ter realmente falhas graves do seu texto, você pode, sim, superá-las. Levante essa cabeça e comece suas pesquisas. Você tem um acervo IMENSO na internet de material que pode ajudar.
Mãos à obra! Nos vemos no próximo domingo ;)

10 comentários:

  1. Deu até animo e voltar a postar agora. Mto obrigada! ��

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. AEEE ♥ Fico muito feliz pelo post ter sido útil *---*

      Excluir
  2. O que eu faço se eu tiver a ideia, souber exatamente o que fazer, mas ficar com preguiça de escrever? dajfklashfaj
    Tipo, vou todo motivado pro wordzaum, fico 10 minutos olhando pra tela branca, e só passa a mensagem na minha cabeça como se fosse um carro de som: "Isso num tá prestando"
    Aí eu vou embora e fico tristão ;-;

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Contra a preguiça, não há muito o que fazer HAHAHAHA Só deixá-la de lado, sentar a bunda e começar a escrever.
      O que ajuda é tentar fazer isso em um ambiente livre de distrações, sem gente atrapalhando o tempo todo e em uma história que você realmente goste e não consiga largar. Pelo menos pra mim isso funciona ^^

      Excluir
  3. Seu textos motivacionais me fazem querer te abraçar e botar num potinho. Mas ai você não ia postar Moonlight e eu 'tô doida pra ler essa fic completa, então considere só um abraço virtual mesmo xD
    Das coisas do post, uma coisa complicada também é um combo de duas, querer reescrever a história mas com os leitores aparentemente gostando dela do jeito que dá. A gente fica todo "eu não sei o que fazer T___T", mas é, não adianta nada a gente não tá gostando do que tá fazendo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. HAHAHAH Que fofa <3 Adoro abraços, se pudesse ficava abraçando as pessoinhas o dia todo :3
      E isso é realmente bem complicado e já passei por isso algumas vezes. Muitas vezes, precisamos realmente refazer trechos, em outro é somente nossa autocrítica nos colocando pra baixo. Quando isso acontece, tento analisar o texto pra descobrir em qual dos dois casos se encaixa. Mas de qualquer forma, nunca seremos perfeitos e jamais estaremos prontos. Se a gente for reler o que escreveu hoje daqui a 50 anos, vai achar ruim do mesmo jeito de quando lemos hoje nossos textos mais antigos. Se formos sempre reescrever tudo, vamos ficar eternamente andando em círculos.
      Obrigada por ler e comentar ^^

      Excluir
  4. Texto lindo, maravilhoso, chiquérrimo e muito útil, tô emocionada kkkkk
    Acho que todo escritor teve, tem ou terá um ou todos esses pensamentos em algum momento. Muitas vezes é a mente nos sabotando mesmo, em outras, falhas que temos que analisar de perto e melhorar.
    Comecei a escrever em 2013 e quando olho para as primeiras fics kkkkk sinto que melhorei MUITO. Daqui a alguns anos, vou olhar para as de hoje e achar a mesma coisa, com certeza.
    Escrever não é uma ciência exata, é um constante e infinito aprendizado. Matar esses pensamentos que nos colocam pra baixo é essencial para que a evolução prossiga.
    Gostei muito desse blog, da página no Face e agora entrei no grupo para xeretar e tentar aprender mais coisas.
    Abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Amei o comentário <3 Resume tudo, sem tirar nem pôr *---*
      Fico feliz que minhas palavras foram úteis e seja bem-vinda (aqaui, na page e no grupo) para voltar quando quiser :D

      Excluir

Não gostaria de entrar e tomar uma xícara de café?

Tecnologia do Blogger.