Uma Palavrinha Sobre "Moonlight", ou "A Importância de Revisar Seus Textos"



Essa foto dá spoiler do post? Sim, mas é a que mais expressa minha reação nesse momento.
Mas primeiro vamos ao problema. Depois, à lição. Quem já acompanhou minha odisseia no NaNoWriMo do ano passado sabe exatamente do que estou falando. Quem não, pode clicar aqui para ver o diário de bordo, aqui para ler o balanço do mês de novembro/2016 e ainda aqui para ler a degustação do primeiro capítulo.
Pode ir lá e ler tudo. Eu espero.
.
.
.
Pronto? Ok, vamos lá.
Eu sempre defendi que as pessoas fossem pacientes quanto a seus textos. Que os deixassem amadurecer com calma antes de postar e, sobretudo, relessem várias vezes com cuidado e tivessem atenção quase que cirúrgica para pegar eventuais problemas com a história. Se até hoje você achava frescura, algo desnecessário ou julgava ser somente uma regra boba, dispensável, esse post está aqui para te fazer repensar isso.
Antes, um breve apanhado do que foram meus últimos meses com essa história. Enquanto escrevia "Sangue Eterno" (que, OPA, também está com o primeiro capítulo para degustação aqui no blog), deixei "Moonlight" de lado. Não apenas para me dedicar com calma a um projeto por vez como para conseguir o distanciamento necessário para poder avaliar melhor meu trabalho e verificar eventuais problemas.
Essa foi a melhor coisa que fiz porque dito e feito: achei um buraco no plot. E não é um buraquinho pequeno.

Um mais ou menos desse tamanho-anho-anho-anho. Desculpa pelo eco-eco-eco-eco.

O que fazer depois disso? Bem, depois que sentei em posição fetal e chorei até desidratar, enxuguei as lágrimas e resolvi voltar a trabalhar. Abri umas 287682038103279640 abas e retomei minhas pesquisas. Fui tão fundo no tema que agora poderia tranquilamente dar uma palestra a respeito.
E, por incrível que pareça, foi depois disso que começou meu verdadeiro martírio.
O que vou falar aqui não é spoiler, porque independentemente do caminho que eu siga, o fato já vai estar na sinopse, então vou explicar algumas coisinhas sobre a trama para vocês entenderem porque meu buraco do enredo já passou do nível do pré-sal há muito e está quase alcançando magma.
Depois daquele primeiro capítulo tenso, que espero que você tenha lido antes de chegar até aqui, a Rebecca some. Desaparece. Evapora. Esse fato é tão importante para o enredo que o nome do primeiro livro é "Sem Deixar Vestígios". Ninguém sabe o que aconteceu de fato, só há algumas vagas ideias de acordo com os últimos passos dela. Testemunhas que a viram em lugar x em hora y, coisas que ela falou aqui e ali, comparação do comportamento dela normalmente e as mudanças dos últimos dias. Lentamente, vamos juntando as peças do quebra-cabeças e descobrindo que... OPA, aqui é spoiler já. Chega HAUAHAUA
O buraco reside no fato de que a pessoa envolvida não eliminou algumas pontas soltas e uma delas, em especial, é algo que pode incriminá-la facilmente e se até eu percebi após uma leitura mais atenta, imagine um investigador experiente? Não há motivo plausível para o caso Rebecca se tornar um problema tão grande e se arrastar tanto.
Até então, isso não era um problema tão grande assim. É algo que eu poderia sanar com a reescrita de, no máximo, dois ou três capítulos. Todo esse mimimi só se iniciou mesmo quando percebi que fechar o buraco exigiria uma reestruturação na segunda metade da história. Por isso recomecei a pesquisar. E depois que pesquisei, só depois de ter essa primeira versão pronta, é que percebi o quanto tinha abordado superficialmente essa parte dos primeiros momentos após o sumiço dela.
Só depois que comecei a ir atrás de links com mais informações do que aqueles que eu já tinha e ler mais e mais coisas a respeito de desaparecimentos misteriosos, percebi o quanto eu poderia explorar mais e mais dessa parte da história.
Originalmente, depois daquele capítulo 1, se passariam 3 meses para o capítulo 2. Depois de todo esse tempo, temos outro tipo de sofrimento: não teríamos mais aqueles ligados a ela se perguntando "onde ela está?" e sim "ela ainda está viva?".
Mas eu poderia aprofundar a história e desenvolver o psicológico dos personagens (além do óbvio de aprofundar também os relacionamentos deles entre si e mostrar como eram as interações deles com ela) de uma forma inacreditavelmente forte e impactante se abordasse o que rolou esse tempo todo.
A ficha caindo de que ela sumiu mesmo. As buscas. As primeiras pistas. As investigações não chegando a lugar nenhum. O desespero de quem está a espera dela. E até revelaria algo importante para o enredo de forma muito mais impactante do que nessa versão, algo que deixaria os leitores "EITA CARALHA, E AGORA?". Tudo para culminar com a revelação do que realmente aconteceu, contrariando até as conjecturas mais pessimistas de quem estava procurando por ela e OPA, SPOILER DE LEVE AQUI rs.
Meu desespero só piorou quando cheguei à conclusão de que todas essas mudanças necessárias para deixar a história mais emocionante prolongaria bastante o livro 1, adicionando no mínimo, uns 10 capítulos. Talvez até fazendo com que eu tenha que dividi-lo em dois.
ISSO MESMO. A série que já é enorme com seis livros TERIA SETE PARTES.
Cheguei a um beco sem saída e, de qualquer forma, mesmo que eu escolha fechar o buraco com a solução mais simples, isso vai atrasar o andamento dela.
Pois é. Antes o previsto era que eu só a postasse ano que vem. Agora não faço ideia. Inclusive, penso agora que boa parte do que vocês leram no capítulo 1 será alterado, mas né? Faz parte.
É algo que deixaria a história bem melhor, até, mas tanta mudança de uma vez (talvez eu até tenha que alterar umas duas subtramas) me deixa bem insegura. Vou levar mais um tempo até decidir o que realmente fazer aqui.
Well... até eu decidir qual desses caminhos irei tomar, deixei a história em stand-by e estou aproveitando para melhorar uns pontos fraquinhos de "Sangue Eterno" (mas as soluções pra eles são bem mais simples, podem respirar aliviados) e separar o que já tenho pronto de "Tempestade de Fogo" e o que preciso terminar para fazer em novembro, no próximo NaNo.
Desabafo feito, vamos agora à lição do post: REVISE SEUS TEXTOS SEMPRE. Não é frescura. Não é bobagem. Vai te trazer um pouco de sofrimento se isso acontecer com você? Provavelmente, mas acredite em mim: é melhor descobrir um problema dessa magnitude quando ainda não postou a história do que depois que ela já está online e bem avançada.
Cheguei à conclusão de que é por isso que antigamente eu parava tantas histórias na metade e tanta gente ainda faz o mesmo. Quantas vezes você não viu alguém dizer que está insatisfeito com o andamento da história e vai deletá-la para reescrever? Eu vejo todo dia, pelo menos uma vez, em grupos de escritores no Facebook.
Claro que não é uma solução milagrosa. Você pode simplesmente ter uma ideia melhor depois de tudo pronto e querer refazer, ou mesmo descobrir outro problema que não conseguiu enxergar antes. Mas uma revisão cuidadosa fará com que essas possibilidades caiam muito. O meu problema foi ter feito apenas revisões superficiais até então, para pegar incoerências pontuais e problemas de português ou erros de digitação. Dei sorte de ter personagens bacanas que, ao menos para mim, parecem bem construídos e nos quais nem precisarei mexer tanto, mas o enredo... AI DELS, dava para construir um metrô dentro do buraco que achei.
E tudo porque me confiei demais na suspensão da descrença de quem ia ler até perceber que... ei... não posso simplesmente colocar essa bosta de solução para um mistério desse tamanho e esperar que as pessoas gostem e aceitem de boas. Depois de tanta expectativa gerada, vocês me tacariam pedras.
E com toda razão.
Vou repetir de novo: revise sempre. A história, o plot, seus resumos, capítulo por capítulo, as fichas de personagens. E faça isso quantas vezes forem necessárias até que leia tudo e tenha a sensação de "agora sim, nada mais me cheira mal aqui". Não é besteira. Não é dica furada. É algo útil e que pode te evitar muito choro e dor de cabeça mais tarde.
Vai por mim: você pode até ter vontade de tacar o computador na parede, como eu agora, mas é melhor que isso aconteça enquanto ainda dá para resolver o problema sem alarmar ninguém do que depois que todo mundo já te viu passando vergonha.
Beijos na bunda e até domingo. Não rima, mas é verdade. Até semana que vem :*

2 comentários:

  1. primeiro "Não rima, mas é verdade." ri alto aqui, acho que assustei meu irmão.
    Uma coisa que ando cada vez mais certa nessa vida é: não publique nada antes de estar tudo pronto. Pode dar mais trabalho, mas parece mais fácil de pinçar erros sem causar tanto alvoroço.
    E, você sabe que só tá subindo as expectativas pra essa história né?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fui até reler o post de novo pra achar esse trecho e não posso te julgar porque ri altão igualmente, apesar do texto me trazer lembranças ruins HAAHAAUAHAU
      E se eu pudesse dar só uma dica pra escritores, seria essa. Eu sei que meu método criativo beira a enrolação, mas pessoal não tem nem um pingo de paciência. Acaba metendo os pés pelas mãos e nunca terminando de postar algumas histórias.
      E acabei de me dar conta disso e OMG, agora piorou HAUAHAU Pessoal vai esperar um primor, digno de prêmio literário. FAZ ISSO NÃO, GENTE, PELO AMOR DE DEUS HAUAHAAUAHAU

      Excluir

Não gostaria de entrar e tomar uma xícara de café?

Tecnologia do Blogger.