Vale a Pena Fazer um Curso de Escrita Criativa?


Não faz muito tempo (ou faz, minha memória e nada é a mesma coisa) surgiu uma discussão em um dos grupos de escrita que faço parte sobre cursos de escrita e se eles seriam importantes ou não para o desenvolvimento de alguém como escritor.
Eu confesso que não li todos os comentários (eram muitos, quase todos textões rs), mas dentre os que cheguei a acompanhar, alguns pontos me chamaram a atenção. Entre aqueles que defendem os cursos com unhas e dentes (reforçando a importância de conhecer e aplicar técnicas famosas de escrita, afinal "se os escritores famosos usam, é porque funciona mesmo") e os que condenam veementemente (porque "a criatividade é livre, toda tentativa de transformá-la em fórmula deve ser rechaçada"), achei muitas opiniões válidas e outras que... bem. Deixa quieto.
Quero aproveitar o post de hoje para discutir esse tema e não só dar a minha opinião, mas também conhecer a de vocês através dos comentários. Vamos lá.
Como alguém que já participou de cursos literários e está sempre de olho em vídeos, webinários grátis e apostilas sobre escrita criativa; tenho a dizer que, pelo menos para mim, a experiência foi bastante positiva. Aprendi conceitos e técnicas que não teria como aplicar estudando sozinha e recebi dicas preciosas que fizeram minha escrita avançar um ano em um mês. 
Mas, claro, nem tudo são flores.
Quando aqueles que criticam tais cursos falam que o principal objetivo deles é criar livros comerciais e a maioria das técnicas têm como finalidade fazer os autores seguirem esse ou aquele padrão, não estão mentindo. Nem tudo o que é ensinado vai servir para todos os gêneros ou é algo que faça diferença para quem não tem escrever profissionalmente como meta.

"Ué, então devemos fazer ou não?"

Agora vamos entrar em um terreno espinhoso. Não vou dizer nunca "faça" ou "não faça". A decisão final cabe a você, apenas quero trazer pontos importantes a se considerar sobre o tema em debate e trazer algumas dicas. Antes de mais nada, porém, preciso lançar umas perguntas aqui.
Você consegue estudar bem sozinho? Sabe onde colher materiais confiáveis sobre a escrita? Se a resposta é sim, talvez não seja necessário.
Mas se você, como eu, sente que aprende mais com alguém guiando ou o senso de procrastinação sempre fala mais alto (euzinha também), acho que seria uma boa tentar.
O ponto é: é sempre uma experiência válida e construtiva, mas é necessário observar alguns pontos antes de clicar no "inscreva-se".
Acima de tudo, é preciso senso crítico. Sou muito a favor que sempre se faça cursos para se aprimorar (não é porque somos artistas que não podemos descobrir formas melhores de nos expressar, oras), mas é necessário ter em mente que não existe fórmula quando se trata de escrita.
Eu sei, eu sei que existem inúmeros livros iguais mundo à fora, mas se você observar bem, verá que poucos são os que realmente se destacam e marcam época na literatura (ainda que de forma negativa). E isso acontece porque escrita é mais do que mera técnica. Há um conjunto de fatores que define se o livro vai cativar leitores ou não e a maioria deles, sinto dizer, é imprevisível porque depende muito mais de quem lê do que de quem escreve.
Nem todas as dicas, técnicas ou fórmulas (como você queira chamar) vão servir para sua história, e aí é importantíssimo que você se conheça enquanto escritor e se teste sempre. Só testando é que vamos saber se conseguimos ou não aplicar aquela técnica em nossa escrita.
Outra sugestão é levar em conta o que você gosta ou não enquanto escritor e leitor. Vou dar um exemplo que aconteceu comigo em um desses estudos orientados. 
Há uma dica que fala para evitarmos descrições de personagens e ambientes e deixar o leitor completamente livre para imaginar tudo como quiser. Particularmente, respeito muito quem faz isso e até leio histórias que a seguem, mas não é algo que eu gosto. Gosto de ter, pelo menos, uma direção para conduzir minha imaginação e saber se o fulano é alto ou baixo, magro ou gordo, tem cabelos claros ou escuros, e por aí vai. Por outro lado, também sei que pode ser maçante quando mal feito, por isso corri atrás de postagens e artigos que dessem dicas para melhorar a descrição, assim faço algo que gosto sem cansar ninguém.
A partir do momento em que você sabe exatamente do que gosta ou não, o que sabe fazer ou não, no que deve investir ou não em sua escrita, até sua tarefa de pesquisar o que ainda precisa melhorar fica mais fácil.
Tenta aí e me conta.
Vamos agora para o campo mais prático da coisa.
Ok, você, mesmo com um pé atrás, resolveu fazer um curso de escrita criativa "só pra ver qual é". Isso nos traz outra série de questões: Qual escolher? Como saber se o preço vale a pena? Fazer um online ou presencial? 
Antes de se matricular, a primeira sugestão é avaliar o que será estudado no curso. Verifique que temas serão abordados, que técnicas serão discutidas, etc. Caso já saiba a maioria, aconselho que procure algo que invista mais naqueles tópicos que você possui dificuldade. Caso seja iniciante e não tenha muito aprofundamento, escolha um que comece do básico, desde a organização das ideias até o final, passando por todas as etapas do desenvolvimento de um livro.
Aconselho aqueles em que há produção e avaliação de material, assim você pode construir efetivamente algo e ter orientação mais personalizada, além de verificar se aprendeu mesmo o que era esperado ao longo das aulas. Se você tem publicação por objetivo, é excelente que o curso escolhido traga dicas de mercado e oriente o autor a seguir por esse meio sem maiores percalços. Alguns até possuem como "prêmio" publicação em antologias ou de um livro em alguma editora com que fecharam parceria. Analise sempre com cuidado essas questões.
Também verifique o tempo de duração do curso. Ele se encaixa na sua agenda? O preço condiz com o que será abordado e a duração? Se achar muito baixo, desconfie. Pode ser alguém que ainda não tem tanta experiência no mercado e, por consequência, algumas dicas podem não ser tão úteis quanto a de quem já tem anos nessa indústria vital. Se estiver muito caro, bem, nem preciso dizer porque você deve procurar o equilíbrio. Não e$tá fácil para ninguém ne$$e$ tempo$, não é me$mo?
Mais um ponto importantíssimo é verificar quem está oferecendo esse curso. São profissionais conhecidos no meio? É gente que realmente sabe o que está falando? Tem pelo menos um livro publicado, para que você possa avaliar o nível de escrita da pessoa? Preste atenção a tudo isso para não ter problemas no futuro.
Cursos presenciais são sempre muito bons, mas quem mora no fim do mundo (como eu) não tem essa opção e resta fazer online, o que nos traz uma preocupação a mais. Sua internet é boa? Há vários eventos ao vivo que vão exigir mais de sua conexão, e se o vídeo fica travando ou parando, você não vai conseguir aproveitar do mesmo jeito. Pense nisso.
E, se aceitam uma dica adicional, nunca sejam primeira turma de nada. Mesmo em cursos presenciais que nada têm a ver com escrita. Me dói falar isso enquanto brasileira, mas por estas bandas infelizmente a desorganização impera. Em um curso de especialização que fiz, as aulas teoricamente começavam às 8. E digo "teoricamente" porque os próprios professores chegavam por volta das 9. As aulas "teoricamente" deviam acabar às 17h, mas terminavam bem antes disso. Acabei me enchendo e saindo. E em um curso online de escrita que fiz em 2014 ou 2015, não recebi meu certificado até hoje.
Cuidado!
Mas e vocês? Já fizeram cursos de escrita na internet ou pessoalmente e querem abrir conosco suas experiências? Alguém está pensando em fazer? Experiências positivas? Negativas? Enfim, exponham suas opiniões nos comentários e nos falamos de novo domingo que vem :D

Nenhum comentário

Não gostaria de entrar e tomar uma xícara de café?

Tecnologia do Blogger.